Quem pensa na possibilidade de comprar um segundo caminhão costuma lidar com dúvidas e incertezas antes de fechar o negócio. O momento é certo para isso? 

Perguntas como essas são comuns e o importante é não agir com precipitação. Naturalmente, a frota de qualquer caminhoneiro começa com seu primeiro veículo. A partir dele, o profissional adquire outros até crescer em seu negócio. 

Leia o post e confirme se o momento certo de comprar outro veículo já chegou!

Comprar o segundo caminhão: considerando alternativas

Se, depois de analisar você realmente chegar à conclusão de que deseja comprar o segundo caminhão, então avalie quais as opções de compra disponíveis. Prefere comprar à vista ou fazer um financiamento?

Adquirir um caminhão novo à vista implica em um investimento inicial alto, principalmente se você escolher modelos mais confortáveis, com maior robustez e qualidade, de marcas consagradas. O fundamental é fazer uma pesquisa entre as concessionárias e na internet: só depois de analisar custo-benefícios, você poderá chegar a uma conclusão sobre onde e qual modelo comprar.

É possível o motorista adquirir um caminhão seminovo ou usado por um preço mais acessível, o que exige mais cuidados em relação à origem do veículo e sua documentação; nesse caso o ideal é adquirir em concessionária onde a origem é confiável.

Caso decida-se por um veículo novo, pode ser que a melhor opção seja o financiamento para não pesar muito na hora de pagar.

Fazer um financiamento de caminhão

O motorista deve prestar muita atenção para fazer um bom financiamento. São três pontos fundamentais:

  • valor financiado;

  • prazo;

  • custos da linha de financiamento.

Conforme indicação de Ponceano Vivas (diretor da Associação Brasileira de Bancos — ABBC), as linhas de crédito para motoristas autônomos são:

  • Finame TJLP;

  • crédito Direto ao Consumidor (CDC);

  • leasing.

Você pode ver mais detalhes das linhas de financiamento de veículos no site do BNDES, acesse: http://www.bndes.gov.br

 

Comprar caminhão seminovo ou usado

Se preferir um veículo usado ou seminovo, além de ficar alerta quanto à documentação (como: IPVA; o seguro obrigatório, DPVAT; seu certificado de registro; o certificado de licenciamento; a Inspeção Veicular Ambiental), você deverá avaliar as condições do caminhão, observando:

  • lataria;

  • portas e faróis;

  • capô;

  • suspensão;

  • volante e alavanca de câmbio;

  • rolamentos, pivôs, buchas;

  • sinais de ferrugem, colisões traseiras, furos camuflados

É importante fazer um test-drive. Se possível, faça sua compra em concessionárias, com maiores garantias e proteção do Código de Defesa do Consumidor (CDC). Em muitos casos, é possível financiar esses veículos.

Fazer um consórcio

Outra opção é fazer um consórcio para comprar o segundo caminhão. Como você já tem um, poderá esperar um pouco mais para ampliar a frota. As regras são as mesmas aplicadas nos outros consórcios.

Consórcios de caminhões costumam durar até 120 meses. Você poderá antecipar a sua contemplação por meio de sorteios e lances (é permitido o lance embutido, aquele que o consorciado oferece parte do valor da carta de crédito como lance).

O importante é escolher uma administradora autorizada pelo Banco Central e comparar as taxas administrativas (consórcio não cobra juros). Leia o contrato e fique atento a todas as regras e condições.

Quando receber sua carta de crédito, poderá escolher o modelo de caminhão que preferir (até um modelo seminovo ou usado), tendo o direito de completar a diferença e comprar um caminhão de valor maior ou comprar um mais barato e usar o saldo para quitar seu consórcio.

Também se permite usar 10% da carta de crédito para despesas do veículo (como pagamento de impostos e licenciamento).

Agregar o caminhão

Digamos que você não considere o negócio muito lucrativo. Está certo de que comprar um segundo caminhão não é uma boa decisão, nesse momento. A preocupação é fazer com que seu seu único caminhão se torne rentável.

Agregar o veículo é uma alternativa. O agregado não é um funcionário, mas tem que seguir as regras da empresa na qual se agregou. Você poderá evitar riscos como ficar muitos dias ou semanas com o veículo inativo ou como voltar de uma longa viagem sem o frete de retorno.

O motorista agregado deverá assumir os dispêndios com a manutenção do veículo (incluindo os pneus), deverá recolher o valor integral e mensal correspondente à Previdência Social para garantir sua aposentadoria e se responsabilizará pela carga transportada.

Há algumas exigências que o motorista deve cumprir, como caminhão com menos de 10 anos de uso, idade entre 25 e 45 anos, rastreador e seguro no veículo, documentação própria e do caminhão em dia.

Gostou deste conteúdo? Está planejando comprar seu segundo caminhão? Aproveite para ler o post “Caminhoneiro: saiba como realizar seu planejamento financeiro” e fazer sua aquisição de forma programada.